• Ana Rafaela Kaluf

PAPO DE LONGA – OLDBOY (2003) E SUA CRUA BRUTALIDADE | Crítica

Atualizado: Jan 21

“Ria e o mundo rirá com você. Chore e chorará sozinho.” (Ella Wheeler Wilcox)

É com essa frase, inscrita em um quadro pendurado em seu cativeiro, que Oh Dae-Su (Choi Min-sik) divide seus dias ao longo de 15 anos, sem nenhum contato com o mundo externo ou maiores explicações de como e porquê foi parar ali. 

O longa sul-coreano, dirigido por Park Chan-wook, pouco tem a ver com o mangá japonês homônimo no qual foi baseado. A violência é muito mais explicita, bruta e convidativa para o espectador do que para o leitor, além da narrativa tomar outro rumo em diversas passagens. Oldboy é o segundo filme de uma trilogia conhecida como Trilogia da Vingança, composta por Mr. Vingança (2002), Old Boy (2003) e Lady Vingança (2005).

Escolhi falar um pouquinho sobre esse filme ~que é um dos meus favoritos da vida~ justamente pelo reconhecimento que Parasita (2019 – Bong Joon-ho) está recebendo (e muito merecidamente!) nas indicações do Oscar 2020. O cinema asiático tem um potencial inquestionável, tanto é que diversas obras já foram adaptadas para produções hollywoodianas (inclusive Oldboy, lançado em 2013 com direção de Spike Lee, mas eu não recomendo) que talvez você nem saiba que são originárias de lá do outro lado do Mundo. Por isso, aqui vai meu resumo desta obra-prima para você dar uma chance aos “undergrounds” sul-coreanos.

Como já mencionei no começo do post, acompanhamos a trajetória de Oh Dae-su, um homem aparentemente normal, que exagerou nas bebedeiras em uma certa noite e acabou sendo detido pela polícia. Após ser liberado com a ajuda de um amigo, o protagonista faz uma ligação para casa naqueles telefones públicos de cabine, para poder dar os parabéns à sua filhinha que fazia 3 anos. No minuto seguinte, Dae-su desaparece das vistas de seu amigo e acorda em um quarto de hotel sem entender nada e sem nenhuma explicação. Mal imaginava ele que continuaria ali por mais 15 anos de sua vida.

O prisioneiro consegue acompanhar os noticiários do mundo externo graças a uma televisão que fica em seu quarto e, em uma dessas notícias, descobre que está sendo incriminado pelo assassinato de sua esposa, que aconteceu 1 ano após seu rapto. Tudo forjado e a mando de quem o prendeu ali.

Mas quais seriam os motivos? Quem é essa pessoa que quer tanto mal a Oh Dae-su? Durante todo o tempo que passa encarcerado, o homem aprende a lutar e vira uma “máquina de combate ambulante” focada apenas em uma coisa: vingança

Depois de ser solto de forma igualmente repentina, Dae-su sai em busca de respostas, tomado pelo ódio e desespero, determinado a não só encontrar seu inimigo pessoal como também sua filha.

Em seus 120 minutos de duração, Oldboy não poupa a violência gráfica, nem mesmo a tensão e velocidade com que a narrativa se desenrola. Não demora muito para descobrirmos que Lee Woo-jin (Yoo Ji‑tae) é o manda-chuva por trás de todo o sofrimento de Dae-su, mas as motivações só serão respondidas na cena final, que possui um dos melhores plot twist de todos os tempos!

Além disso, Park Chan-wook criou um dos mais memoráveis planos-sequência do cinema em Old BoyA cena gravada toda em um só take mostra Oh Dae-Su lutando contra um grupo da quadrilha de marginais que o sequestrou utilizando apenas um martelo como arma em um corredor apertado do hotel em que ficou preso. Foram necessários 3 dias de muito treino e ensaio para chegar ao resultado icônico final e, se não bastasse tudo isso, Choi Min-sik dispensou dublês durante todo o filme, pois queria dar veracidade aos acontecimentos! 

Prefiro não contar mais detalhes sobre o longa para não estragar o prazer de ir descobrindo tudo aos poucos junto com o protagonista. Mas já aviso (caso ainda não tenha percebido) que não é um filme para todos, seja pela violência, seja pelo conteúdo sexual ou possíveis gatilhos que os mais sensíveis não estejam acostumados. É a mais pura crítica ao comportamento humano, sobre responsabilizar-se pelos próprios atos e aguentar as consequências. 

Yoo Ji‑tae como o “chefão” Lee Woo‑jin

Para encerrar, deixarei aqui algumas curiosidades sobre Oldboy

1 – O filme venceu o Grand Prix na edição de 2004 do Festival de Cannes, e foi muito elogiado pelo presidente do júri naquele ano, nada mais nada menos que o diretor americano Quentin Tarantino!

2 – Tem uma avaliação de 8,4 no IMDb, o filme coreano com maior avaliação no site e o 88.º melhor do mundo de todos os tempos na lista IMDb Top 250.

3 – A cena em que Oh Dae-su come um polvo vivo no restaurante, logo após ser libertado do cárcere, gerou bastante polêmica. Foram necessários 4 animais até que o diretor ficasse satisfeito com o resultado. Por ser budista, Choi Min-sik dava um intervalo entre cada tomada para orar depois de comê-los. 

4 – Grande parte do elenco da refilmagem americana de 2013 (que já citei) atualmente integra o Universo Cinematográfico Marvel, como Josh Brolim (Thanos), Samuel L. Jackson (Nick Fury), Elizabeth Olsen (Feiticeira Escarlate) e Pom Klementieff (Mantis)!

Espero que tenha conseguido despertar seu interesse 😉 vale muito conferir! Até a próxima…!

#coreano #filme #oldboy

0 visualização0 comentário